EXERCÍCIO FÍSICO E A CIRURGIA BARIÁTRICA

Investir na atividade física após a operação de redução do estômago potencializa a perda de peso e minimiza reações adversas.

O exercício físico é fundamental para manter os benefícios à saúde conseguidos pela cirurgia bariátrica, comprova pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). No estudo, mulheres obesas que passaram pela cirurgia e realizaram treinamento físico supervisionado ampliaram a sensibilidade à insulina, reduziram a inflamação e melhoraram a saúde dos vasos sanguíneos. Desse modo, o exercício reduziu os riscos de doenças associadas à obesidade, como diabete, hipertensão e aterosclerose, ampliando os ganhos obtidos com a redução do peso corporal.

A obesidade, que atinge hoje um quinto da população brasileira, pode ser prevenida e combatida com a reeducação alimentar e a prática frequente de exercícios físicos. Nos casos em que o sobrepeso é excessivo, muitas vezes a cirurgia bariátrica é apontada pelos endocrinologistas, como a única opção para evitar desdobramentos prejudiciais da obesidade mórbida ou hormonal ao organismo. A cirurgia também pode ser feita por pré-obesos, com dificuldade metabólica de emagrecer. Essa necessidade passa por uma série de exames e avaliações médicas. Mas quando acontece a cirurgia, o paciente para obter resultados realmente significativos, precisa mudar os seus hábitos e abandonar o sedentarismo, se não quiser readquirir a gordura da qual se livrou e voltar à estaca zero.

Nas primeiras semanas do período pós-cirúrgico, é recomendável caminhadas com duração de 15 minutos, quatro vezes ao dia. Um mês após a cirurgia, sob orientação médica e do fisioterapeuta, o paciente pode começar a levantar pesos para o fortalecimento dos músculos e massa corporal. Exercícios aeróbicos também são fundamentais com o intuito de criar resistência cardiovascular, como caminhadas regulares até o corpo ir se adaptando e quando estiver preparado começar a correr, andar de bicicleta e hidroginástica, porém neste caso vale ressaltar que o paciente deverá aguardar até que todas as incisões cirúrgicas tenham sido cicatrizadas antes de entrar na água.